Janeiro | 2020 | Ano XI – Edição 127 – “O Samba e a Canção” Um tributo a Jamelão com Ana Costa e Áurea Martins

“O Samba e a Canção”

Um tributo a Jamelão com Ana Costa e Áurea Martins

Foto: Guile

ana costa e aurea martins-jamelao-5-foto guile

Áurea Martins e Ana Costa

Áurea Martins sonhou recentemente com Jamelão. Daí veio a ideia de fazer um novo e inédito show com sambas-canções em homenagem ao grande intérprete do gênero, o cantor Jamelão. Convidou a cantora Ana Costa, com quem tinha vontade há muito tempo de compartilhar um show. Ana, que também já cantou em orquestras, aceitou de imediato o convite e topou concretizar o sonho referente ao mestre Jamelão – o rei do samba-canção.

Áurea cantou a canção e Ana o samba e decidiram misturar esta vivência da experiência das carreiras para este show com um repertório baseado nas canções imortalizadas de Jamelão.

Folha Morta, Matriz ou Filial, Ela disse-me assim, Cadeira Vazia, Maria Rosa, Loucura, Esses Moços, entre outros belos clássicos do cancioneiro do artista José Bispo Clementino de Jesus, falecido em 2008, estão no roteiro deste show.

Dois sambas eternizados na voz do Jamelão que homenageiam a sua Escola fazem parte também do show – Hino de Exaltação à Mangueira e Piano na Mangueira.

Acompanhada de um trio formado por baixo, bateria e o pianista Itamar Assiere que faz a direção musical e arranjos que dão ao show um nobre e moderno resultado para canções tão clássicas.

Áurea Martins e Ana Costa transportam a plateia para o clima das casas noturnas de música e jazz e para as grandes gafieiras – templos da música dançante das noites boêmias cariocas. Clássicos brasileiros cantados por duas das grandes intérpretes brasileiras, uma com mais de 40 anos cantando na noite carioca e outra com anos cantando o samba nas novas noites de samba carioca acompanhadas de um trio de excelência musical, só poderá dar como resultado um show encantador.

Samba-Canção – Também chamado de “samba de meio de ano” (ou seja, sambas feitos fora da época de Carnaval), em linhas gerais, o samba-canção faz uma releitura mais elaborada na melodia – enfatizando-a – e possui um andamento moderado (o mais lento dentro das vertentes do moderno samba urbano), centrado em temáticas de amor, solidão e na chamada “dor-de-cotovelo”.

“O Samba e a Canção” Dia 29 de janeiro (quarta-feira), às 16h Centro Cultural João Nogueira R. Dias da Cruz, 170 – Méier

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>