Janeiro | 2014 Ano V – Edição 55 – Cartas dos Leitores

Gavetas da Vida 

Adorei o texto “Gavetas da Vida”! Acho que todos temos muitas coisas em comum na estrada da vida. Interessante é que pensamos que somos apenas nós que vivemos essas dificuldades. E observando o mundo, vemos que estamos muito bem, diante de tanta dor alheia.

Elaine Morgado – Via Facebook

 

Feliz 2014!

Que o nosso Jornal Novidades venha com toda força em 2014! Que nossas notícias cheguem aos olhos de pessoas de boa vontade.

Grande abraço,

 Margarida Silveira – Via Facebook

 Enriquecimento sem causa da SuperVia

Na manhã de 29/12/2013 a Estação Méier se encontrava em manutenção. Por tal motivo, nenhum trem estava parando na mesma. No entanto, as passagens continuavam a ser vendidas normalmente. Como não havia nenhum aviso expresso e claro que a estação estava paralisada para manutenção, os passageiros somente descobriam isso quando já haviam passado pela catraca. Indignados, o passageiros voltavam à bilheteria, mas não conseguiam receber de volta as suas passagens, ou seja, a SUPERVIA não prestou o serviço e mesmo assim reteve R$ 2,90 de cada passageiro, que infelizmente caiu no conto da carochinha. Até quando Sr. Governador teremos que conviver com situações como esta? Como diria certo jornalista televisivo: “Isso é uma vergonha”!

José Rocha – por email

 

 Parques e Jardins

Prezada Jornalista Solange Diniz,

Fico muito agradecida pela pulbicação de minha reclamação no Jornal Novidades. Meu desejo para o novo ano é ter apenas elogios do nosso bairro. Mas, o problema das calçadas é mais complicado, pois não vejo boa vontade por parte do Parque e Jardins paravzzvv retirar as árvores que danificam as calçadas. Tenho até registro de uma casa na Rua Pernambuco, 345 que esta afetando a entrada da varanda dos proprietários, mas eles só conseguiram entrar com um processo e aí ficou parado. Realmente não sei o que fazer, pois a cada dia uma pessoa conhecida sofre com torção e luxação devido à precariedade delas. Talvez com sua ajuda e conhecimento possamos dar um final feliz para todos nós. Agradeço de coração e peço ao Senhor Jesus que te cubra de bençãos e que continue se fortificando para nos ajudar.

Feliz Ano Novo!

Sua leitora,

Maria Margarida de Souza Silveira – por email

 

Jornal Novidades

Gosto muito das noticias e informações desse jornal.

 Custodia Aciotelis – Via Facebook

 

Cartas dos leitores da Edição 55/Jan2014

Fotos enviadas pelo leitor

Feira Livre no Engenho Novo

Felicitações pelo excelente jornal NOVIDADES que fala sobre assuntos gerais do grande Méier e de grande valia para seus moradores, desejando desde já um feliz e um próspero Ano Novo.

Sou morador do Grande Méier, do bairro do Engenho Novo, e gostaria que fosse publicada minha reclamação sobre o problema que é a feira da Rua Grão Pará todas às segundas-feiras e estão todos convidados a verem a bagunça que é essa feira.

Foi feito um calçamento novo nessa rua e a mesma está sendo destruída pelas kombis e caminhões que estão quebrando as nossas calçadas, conforme pode ser visto nas fotos enviadas. Solicito providências para restabelecer a proibição desses carros em cima de nossas calçadas com fins de preservar nosso calçamento, pois a responsabilidade de cuidar das calçadas é do morador. Esses veículos ainda ocupam praticamente toda a calçada atrapalhando os pedestres.

Todos os domingos, à noite, os moradores são obrigados a tirarem seus carros da garagem e colocar em outras ruas. Diversos carros já foram arranhados e também tem sumido retrovisores e outras coisas mais. Se é proibido estacionar com as quatro rodas em cima da calçada como é que isso pode continuar acontecendo sem que seja tomada uma providência? Por essa razão pedimos à equipe do Jornal Novidades que nos ajude com urgência.

Temos a obrigação de zelar pela conservação de nosso bairro, pois contando com costumeira atenção deste jornal aqui me despeço.

Grato,

José Carlos Sampaio – por email

2 comments to Janeiro | 2014 Ano V – Edição 55 – Cartas dos Leitores

  • A propósito da derrubada de uma árvore na minha rua, escrevi este texto é gostaria que fosse publicado, se possível.

    Uma árvore no meio do caminho

    Roberto J. Fraga Moreira

    Parafraseando Carlos Drummond, no meio do caminho tinha uma árvore.Tinha uma árvore no meio do caminho, mas que ficava apenas apreciando a gente passar e às vezes alguém nela se encostar. Só uma árvore no meio do caminho. Diziam que estava muito velha e cheia de pragas que ameaçavam a sua estabilidade, e que de uma hora para outra poderia causar uma grande fatalidade. Mas era somente uma árvore no meio do caminho, bem quieta num cantinho. No Verão cumpria o seu papel e se enchia de folhas que chegavam a encobrir a visão o céu. Mas para alguns era apenas uma árvore no meio do caminho que incomodava, talvez, um sentimento mesquinho. E um dia, não resistindo mais a tanta incongruência, teve o tronco cortado pela metade e perdeu a bela aparência, restando somente um pedaço estéril que ficou aguardando o final de sua existência. No entanto, um milagre aconteceu e ela depois de algum tempo novamente floresceu, oferecendo a todos que a amavam a esperança que ressurgisse em sua antiga exuberância. Mas por ser apenas uma árvore no meio do caminho, foi arrancada pela COMLURB e cortada em mil pedacinhos, mesmo diante do protesto dos vizinhos.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>