Novembro |2016| ano VII edição 89 – Como Driblar a Ansiedade

Como Driblar a Ansiedade

andradaA ansiedade é uma emoção bastante importante para os seres humanos, uma espécie de força propulsora que nos estimula a tomar atitudes. Ela decorre da excessiva excitação do sistema nervoso central quando pressentimos uma situação de perigo, que não inclui, necessariamente, algo que coloca em risco a nossa vida. Em termos práticos, esse risco pode ser desde o relógio que aponta o prazo minguando para a entrega de um relatório até a expectativa de uma decisão para iniciar num emprego novo.

A ansiedade coloca todo nosso corpo em alerta para enfrentar algo. Quem não a tem, em geral sofre de apatia. O que acontece é que as cobranças e exigências do cotidiano vêm deixando as pessoas em um estado permanente de ansiedade. Dependendo do grau, a ansiedade pode resultar em sofrimento pessoal, social, afetivo, sexual e profissional, destruindo totalmente a qualidade de vida do indivíduo.

Para a saúde os danos podem ser irreversíveis. Para ter uma noção dessa gravidade, uma pesquisa feita em 2003 pela Universidade de Bergen, na Noruega, chegou à conclusão de que a ansiedade pode aumentar o risco de câncer. Os indesejáveis efeitos colaterais da ansiedade são: enjoo, dor de barriga, prisão de ventre, sudorese, enxaqueca, falta do ar, aumento da pressão arterial, gastrite, taquicardia etc.

Quando nos sentimos preocupados ou tensos diante de um fato, ou da expectativa dele, o cérebro emite um sinal para as glândulas supra-renais, localizadas acima dos rins. Esses, então, produzem adrenalina, hormônio que cai na corrente sanguínea e eleva os batimentos cardíacos e a frequência respiratória. A repetição contínua desse processo é extremamente prejudicial.

A ansiedade pode, inclusive, levar a um quadro grave de estresse, pois a vítima não consegue parar para identificar suas necessidades, até mesmo as mais simples como comer e dormir. Isso acontece normalmente com pessoas que se destacaram ou cresceram bastante profissionalmente e com os perfeccionistas. Elas encontrarão uma dificuldade mais acentuada para quebrar o padrão. É difícil, mas não impossível. Existem atitudes e modificações que, adotadas pouco a pouco, no dia a dia, têm o poder de melhorá-lo e livrá-lo dos malefícios da ansiedade. Elaborei 12 dicas para ajudar você a driblar a ansiedade.

1. Administre a rotina profissional – Organize a agenda. Só assim você conseguirá dominar a tirania do relógio. Entregar projetos e relatórios no prazo e ter tempo para a vida pessoal e familiar e ainda evita o erro de marcar vários compromissos ao mesmo tempo.

2. Pratique exercícios físicos – A prática regular de uma atividade física ajuda muito a reduzir a ansiedade, porque libera o excesso de adrenalina. Para quem detesta academias, uma boa ideia é caminhar ou praticar corridas em ruas arborizadas ou em parques. Mexer-se regularmente melhora a qualidade do sono, dá mais energia e vontade de se cuidar, eleva a autoestima e faz com que as pessoas se sintam no controle de suas emoções e sua vida. Fazer esportes eleva o nível de endorfinas, substâncias responsáveis pelas sensações de prazer e bem estar.

3. Preste atenção na respiração – Quanto mais segundos conseguir inspirar e expirar, melhor porque o sistema simpático, que faz parte do sistema nervoso, é tranquilizado com o grande volume de oxigênio. Como Driblar a Ansiedade

4. Respeite seus limites – As pessoas muito ansiosas são também perfeccionistas. Nunca estão satisfeitas, porque é difícil alcançar a excelência. É preciso aprender a respeitar os próprios limites e aprender com os erros. Tente lidar com as limitações e as dificuldades sem se sentir desqualificado ou paralisado.

5. Alimente-se bem – O que você coloca no prato tem uma relação estreita com seus sentimentos e emoções.

6. Foque o momento presente – Os ansiosos são pessoas completamente dispersas no tempo presente. Elas não vivem o aqui e o agora. Deixam se levar pelas lembranças do passado, remoendo erros que cometeram e ficam preocupados com as expectativas em relação ao futuro. Faça um esforço para modificar esses pensamentos, pois pensamentos “errados” não trazem boas sensações. Afinal, o passado não pode ser mudado e ninguém possui o domínio total do futuro. Pare já de desperdiçar o seu precioso tempo.

7. Não abra mão do lazer- Ler um livro, ir à praia, sair para jantar, dançar, ir ao teatro, cinema, bater papo com amigos, se divertir com os fi lhos. Quanto mais momentos de descontração você viver sozinho ou com pessoas que você gosta, mais relaxado estará e, menos ansiedade terá.

8. Dê uma pausa – O cérebro precisa de descanso e relaxamento. A cada hora de trabalho, faça pequenas pausas para tomar um cafezinho, esticar as pernas ou contemplar a paisagem. Esses momentos de ócio ajudam a dar uma folga para a mente e a driblar a ansiedade para apresentar um desempenho ágil.

9. Seja otimista – Lembre-se: “Bons pensamentos, bons sentimentos”. Ser otimista é ter uma expectativa positiva em relação à vida pessoal e profissional, ou seja, sentir, acreditar e reagir física e psiquicamente a um fato positivo. Uma pessoa que tem uma expectativa positiva sente-se bem, relaxada, tranquila e confiante, não tem o sentimento de medo e temor. Por outro lado, ser pessimista gera tensão, medo, o corpo trava, as descargas de adrenalinas são constantes e crônicas. Ser pessimista é viver no inferno e tentar proteger-se o tempo todo disso.

10. Ponha suas ideias no papel- É uma maneira saudável e eficaz de analisar prós e contras e visualizar a situação de forma realista, o que permite ainda elaborar pensamentos positivos de que tudo vai dar certo.

11. Avalie a necessidade de uma terapia – Muitas vezes, a ansiedade é gerada por situações inesperadas e difíceis como morte de um ente querido, desemprego, crise financeira ou no relacionamento afetivo e doença na família. Mas, os momentos felizes também podem ser detonadores de um grande estresse. Ex.: casamento, nascimento do fi lho, mudança de casa ou de trabalho. Em geral, a pessoa vai se adaptando à nova realidade com o tempo e a ansiedade diminui. Há, porém quem não consiga lidar com as mudanças. Nesse caso, o melhor a fazer é buscar a ajuda de um terapeuta. Quadros patológicos de ansiedade – quando a tensão é constante impede a evolução e a felicidade – também merecem atenção de psicólogo ou psiquiatra.

12. Simplesmente… aja – O maior sofrimento de quem tem ansiedade é a expectativa.

A possibilidade de algo dar errado ou de não conseguir cumprir todos os compromissos paralisa a pessoa, que acaba não conseguindo fazer o que quer – e tem a amarga sensação de que é atropelada pelos dias. Para acabar com toda essa angústia, a única alternativa é enfrentar os medos e agir.

Se algo der errado, recomece!

Vania Muzitano
CRP: 05/23751
Formação em Terapia Congnitivo Comportamental
Adolescente * Crianças * Adultos * Casais * Grupos
Rua Manuela Barbosa, 43 – SL. 405 – Méier
Tel.: (21) 971639671 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>